Se aprecia o silêncio e a natureza agreste, encontre tudo isto em 40 quilómetros de parque recheados de raridades da fauna e flora. Numa das zonas menos povoadas de Portugal são os animais e as plantas que reinam.

Entre azinheiras e sobreiros, urze e rosmaninho, 154 espécies de aves, 44 de mamíferos, 15 de anfíbios, 20 de répteis, 12 de peixes e 153 de insectos coabitam no espaço do Parque Natural do Tejo Internacional, tornando-o numa das mais importantes áreas protegidas portuguesas. Aqui, no distrito de Castelo Branco, onde o Tejo faz fronteira com Espanha, o Parque Natural combina o melhor da natureza com o património histórico e cultural. Vestígios do Neolítico e sepulturas romanas convivem com lugarejos rústicos quase despovoados, e a paisagem integra de forma harmoniosas a arquitectura popular das aldeias típicas da região, que parecem acolhê-lo de braços abertos. Venha explorar o Tejo Internacional.

Visita guiada ao Parque Natural do Tejo Internacional

Se quer conhecer a fundo o Parque Natural do Tejo Internacional e explorar todos os seus recursos e recantos, então confie a sua visita aos especialistas. Contacte uma das diversas empresas que organizam visitas guiadas e deixe-se orientar por estes profissionais que tão bem conhecem os declives do terreno, as características das plantas e os hábitos dos animais. Com um pouco de sorte, poderá avistar um javali, uma raposa ou um veado. E com certeza vai sentir-se surpreendido pela paisagem, ao ver o Tejo serpentear suavemente por entre as imponentes colinas.

Se é a observação de pássaros que o traz ao Parque Natural, os guias locais não deixarão de o levar ao Observatório, o espaço ideal para identificar as aves locais, sejam de porte imponente como a águia-imperial, o grifo ou o abutre-do-Egito, ou pequenas e graciosas como a pega-azul, o guarda-rios, as poupas e as cotovias.

Mas se quer tirar o máximo partido da sua visita, peça que o levem à queda de água da Ribeira das Varetas ou a percorrer as Ruínas dos Alares, talvez o local mais dramático do parque e ideal para um piquenique abrigado do vento. Depois, veja como vivem as gentes da terra visitando o Rosmaninhal, uma aldeia típica de casas brancas rodeadas de hortas e campos de onde se tem uma bela panorâmica da região. E não volte a casa sem visitar o Centro Cultural Raiano que, para além das duas exposições permanentes sobre olaria e apicultura, organiza visitas ao tradicional lagar e forno comunitário.